domingo, 24 de setembro de 2017

Os dois irmãos

Pont de Moret, 1893, Alfred Sysley
Não havia muita diferença de idades entre os dois irmãos. Ambos tinham emigrado, há muitos muitos anos, mas para países diferentes. O trabalho, nesse tempo e em Portugal, não ia de feição e a liberdade vivia estrangulada.
Casaram. Tiveram filhos. Tiveram netos. Mantiveram, porém, o aperto, embora diferente. Era a língua. Era a lonjura. Era a solidão. Era a precariedade do trabalho. Era a saúde que já tinha falhado várias vezes. 
Foi sobretudo a pós-reforma. Para onde iriam se regressassem a Portugal? Tinham-se mantido ambos nos países de acolhimento, como se o tempo fosse eterno e a vida se mantivesse intacta.
Os dias continuavam e os obstáculos não lhes  matavam os sonhos.
Um deles, o mais novo, fazia exercício físico que o tirava de casa todos os dias.
E dizia com um sorriso sonoro e prolongado, a pedir elogio e reconhecimento: Estou a trabalhar para a maratona.
O mais velho persistia ligado ao seu amor pela vida, mas entristecia pelos ciúmes da mulher. Que lhe roubavam carinhos e sorrisos.
E desabafava como quando namoravam: eu amo-a tanto!
E isto passava-se em dois países europeus diferentes. Separados por montanhas, cidades e muitas realidades, umas diversas, outras semelhantes.
Separados sempre tinham estado os dois irmãos.
Aproximava-os a idade: um ia fazer oitenta e oito anos, o outro tinha festejado mais um.

sexta-feira, 22 de setembro de 2017

Vou seguir o conselho

"Já ouviu falar em virtuosismo na música? Se não sabe o que é, ouça este disco sem palavras, só sons. Fica-se reconciliado com a vida. Algumas faixas vai reconhecê-las sem dificuldade, embora vestidas com outras roupagens – El Dia Que Me Quieras, Adiós Noñino – outras vão surpreendê-lo tanto que não vai cansar-se de as ouvir."

Nicolau Santos, Expresso Curto de hoje, 22 set.

"Spain" - Também na ordem do dia!

Michel Camilo & Tomatito Spain Again

Dióspiros ao sol


Ligação à terra


quinta-feira, 21 de setembro de 2017

"Identidade" - Muitas fases da lua

Matei a lua e o luar difuso.
Quero os versos de ferro e de cimento.
E em vez de rimas, uso
As consonâncias que há no sofrimento.

Universal e aberto, o meu instinto acode
A todo o coração que se debate aflito.
E luta como sabe e como pode:
Dá beleza e sentido a cada grito.

Mas como as inscrições nas penedias
Têm maior duração,
Gasto as horas e os dias
A endurecer a forma da emoção.


Miguel Torga, in Penas do Purgatório

Sol ou lua?

Van Gogh, 1888

"Au clair de la lune" - Para a criança que há em casa ou em nós!

terça-feira, 19 de setembro de 2017