terça-feira, 31 de dezembro de 2013

De Gaia até ao Porto


UM ÓTIMO ANO NOVO!



Hoje, arrumei algumas coisas que, na apressada preparação dos presentes de Natal, ficaram fora do sítio: tiras de papel, restos de fios dourados, etiquetas com paisagens cobertas pela neve…

Este ano, entre a família, decidiu-se que as prendas seriam feitas por quem as oferecia. Foi uma boa experiência trocar compotas, trabalhos de tricô, postais, pinturas, pequenos contos de Natal, vales de tempo… (dei um a uma das minhas filhas: dois fins de semana em que me mostraria disponível sem dizer que tinha trabalhos para corrigir! Julgo que ela gostou.), jogos sobre autores preferidos…

Agora, quase a entrar no novo ano, sinto cada vez mais a voracidade do tempo e gostava de o encarar de forma mais pausada. Talvez fosse útil para mim e para os que me rodeiam. Este poderá ser um dos meus propósitos para o Ano Novo.

2013 está quase a terminar. Amanhã, os calendários mostrarão um outro número.

O tempo, para a minha família mais chegada, é de vida e de morte, devido a um(a) de nós estar muito doente. Nas visitas ao IPO, apercebo-me, com mais nitidez, de quantas pessoas estão presas a uma cama de hospital. Pouco lhes importará a mudança de ano. Querem é que haja Vida, o que pode ajudar a prolongá-la,

Dou comigo a redobrar a importância de poder andar, sair, sentir o vento no rosto, apanhar chuva, tomar um café no sítio que escolho, fazer gestos simples e rotineiros de forma autónoma.

UM ÓTIMO ANO NOVO!

domingo, 22 de dezembro de 2013

NATAL E NÃO DEZEMBRO


 Entremos, apressados, friorentos,
numa gruta, no bojo de um navio,
num presépio, num prédio, num presídio
no prédio que amanhã for demolido...
Entremos, inseguros, mas entremos.
Entremos e depressa, em qualquer sítio,
porque esta noite chama-se Dezembro,
porque sofremos, porque temos frio.

Entremos, dois a dois: somos duzentos,
duzentos mil, doze milhões de nada.
Procuremos o rastro de uma casa,
a cave, a gruta, o sulco de uma nave...
Entremos, despojados, mas entremos.
De mãos dadas talvez o fogo nasça,
talvez seja Natal e não Dezembro,
talvez universal a consoada.

David Mourão-Ferreira

terça-feira, 17 de dezembro de 2013

"O amigo oculto"

.
Estes são alguns dos trabalhos que alunos do 10º ano da construíram para trocarem mensagens escritas na turma, no último dia de aulas.

Na semana anterior, todos haviam tirado à sorte um nome de um colega - para quem escreveriam/construiriam a mensagem.
Foram motivados para fazerem um postal, um marcador de livros, um poema, um pequeno texto – que celebrasse a quadra natalícia e os valores humanos.

Perante  alguns trabalhos de duas turmas – 55 alunos – só me ocorria dizer: que bonito!

Porém, ouvindo uns dois ou três, não pude deixar de dizer: É melhor guardares o texto e passarmos a outro!

Na próxima interrupção de aulas, se puder, tentarei realizar uma atividade semelhante. Será que vou concluir que o melhor era “não me meter nisso?”

Tentarei arranjar uma estratégia para continuar a ter motivos para dizer: que bonito está o texto que escreveste ou o trabalho que fizeste!

E ainda dizem que os professores andam desmotivados!! 



sábado, 14 de dezembro de 2013

Nevoeiro




Nem rei nem lei, nem paz nem guerra,
define com perfil e ser
este fulgor baço da terra
que é Portugal a entristecer –
brilho sem luz e sem arder,
como o que o fogo-fátuo encerra.

Ninguém sabe que coisa quere.
Ninguém conhece que alma tem,
nem o que é mal nem o que é bem.
(Que ânsia distante perto chora?)
Tudo é incerto e derradeiro.
Tudo é disperso, nada é inteiro.
Ó Portugal, hoje és nevoeiro...

É a Hora!

Mensagem, Fernando Pessoa

domingo, 8 de dezembro de 2013

Uma ideia para árvore de Natal

Um ramo seco de árvore+
Umas estrelas recortadas à mão (podem sobrepor-se diferentes tamanhos) 
e presas por um fio (este é dourado)+
Amor e carinho+
Vontade de (se) dizer: Feliz Natal!
E tudo mais que as estrelas podem sempre sugerir.

domingo, 1 de dezembro de 2013

Um livro com sabor a Natal

Decorreu, hoje, no Café Progresso, no Porto, a apresentação da coletânea Lugares e Palavras de Natal 2013, da Editora Lugar da Palavra.

Cada autor - dos contos e dos poemas - falou uns momentos sobre o seu trabalho, agora publicado. No final, houve uma saudável troca de autógrafos.

Realço a participação de pessoas de diferentes idades. As mais jovens tinham quinze anos, o que é encorajador no cenário atual em que, tantas vezes, se descrê do amor pela leitura e pela escrita.
 
Ainda houve tempo para cantar os parabéns!

Os chapéus de palha e a minha árvore de Natal




Mandei abater a árvore mais alta do meu jardim. Era um abeto. Trouxe-o de um país do norte da Europa, mas não quero que pensem que o arranquei da floresta.
Sempre gostei de abetos. Aprendi a conhecê-los melhor também nos livros de Sophia e não sosseguei enquanto não plantei um no meu jardim, mesmo à frente da casa.
 Quis que viesse de um país do Norte da Europa, de vegetação verde, fria e densa. Como tive a oportunidade de ir à Floresta Negra, na Alemanha, não desperdicei a ocasião. Trouxe-o num saquinho de plástico transparente, com um fio atado à volta da raiz que cobri com água. As folhas e o caule ficaram ao ar e aconcheguei cuidadosamente o pequeno abeto dentro de um saco de papel, aberto, para que a respiração da planta fosse possível. Na viagem de regresso, o pinheiro já era como um amigo de quem não me queria separar.
Quando cheguei a casa, plantei-o e fui acompanhando, atentamente, o seu crescimento. Passou a morar no meio do jardim. Aproximava-me dele todos os dias e falava-lhe com carinho, dizendo-lhe: já me dás pelos joelhos, já me chegas à cintura, já está maior do que eu…
Via-se que o abeto gostava do sítio onde vivia e que tinha sido demoradamente escolhido por mim, depois de me ter informado das condições necessárias para que se desenvolvesse, uma vez que vinha do Norte da Europa e o nosso país fica no Sul.
Num dia quente de verão, dei comigo sentada a reler um livro de Sophia, O Cavaleiro da Dinamarca, à sombra do meu abeto. O cenário era perfeito.
Nessa altura, já estava bem maior do que eu. E mais largo. Parecia o rei do meu jardim pela natural imponência e sobretudo pela grandiosa beleza, ainda que discreta.
 As minhas amigas diziam-me: como o pinheiro cresceu! Sei até que havia quem chamasse à nossa habitação “a casa do abeto”, porque era o elemento natural que logo sobressaía. Como a família gostou da designação, pintámos num azulejo: “Casa do abeto” e afixámo-lo na porta principal. Assim ficou e para sempre ficará, apesar de a nossa árvore já não estar entre nós.
Para além de dar tanta vida ao jardim, foi a nossa companhia ao longo de mais de uma dezena de Natais. Quando chegava dezembro, íamos ao sótão, abríamos a caixa das iluminações, pegávamos nos fios, descíamos ao jardim e começávamos a decorar o abeto, a nossa árvore viva do Natal.
 Era um trabalho em família, porque ninguém conseguia abraçar o abeto de uma só vez. Quando concluíamos a operação de colocar os fios à volta da árvore, ficávamos muito tempo a olhar as luzinhas a piscar. Nunca nos cansávamos de o fazer e era o primeiro presente de Natal que dávamos uns aos outros e também a quem passava na nossa rua.
Mas, como se sabe, antes do inverno vêm outras estações. O último verão foi extremamente quente, ao contrário do que se previa. Quando o calor apertava, eu regava o abeto várias vezes ao dia e fiz-lhe até uma cobertura, unindo vários chapéus de palha. Tinha de ser protegido e era a melhor maneira que eu encontrava para o resguardar dos fortes raios solares.
Durante o mês de agosto, nunca me afastei muito de casa para que o abeto não passasse sede. Um dia, estava eu sozinha, saí porque o calor apertava, queria ver o mar e sentir no rosto a clara frescura da maresia. Para que a árvore ficasse bem protegida do sol, fui buscar um outro chapéu de palha, de abas ainda mais largas e coloquei-o mesmo no cocuruto do abeto. O sol, assim, não lhe tiraria o viço da vida de que todos tanto precisávamos.
Passado pouco tempo, eu estava a chegar à praia que se estendia ao sol e às marés de viva frescura. Já era quase setembro, mas o calor continuava a apertar. Fui ficando até ao pôr do sol. Queria captar os inúmeros tons vermelhos convocados pelo astro-rei que partia, deixando a terra repousadamente escurecida. A praia ia ficando deserta, sendo visitada apenas pelas gaivotas que deixavam pequenas marcas triangulares e fugidias na areia.
Quando regressei a casa, pela noitinha, o trânsito estava interrompido na minha rua. Ainda me exasperei, querendo romper para chegar mais depressa e ver o que se passava. Os carros dos bombeiros eram muitos e era impossível avançar. A mata próxima da minha casa tinha ardido, atirando faúlhas e pedacinhos de fogo em todas as direções. Uma centelha caíra nos chapéus de palha que eu tinha posto sobre o abeto e logo começaram a arder, propagando-se à árvore que não resistiu às chamas malditas e devoradoras. Escapou apenas o tronco chamuscado que só agora mandei cortar, porque me lembrava a pele de um ser queimado e em sofrimento.
Vou fazer um banco com o tronco do abeto, depois de limpar os sinais rugosos de agonia, e colocá-lo no mesmo lugar onde viveu durante tanto tempo.
Porém, este ano, o Natal vai ser menos Natal. Falta-nos o nosso pinheiro e aquele presente a reluzir nas noites escuras e longas de dezembro.
Quando olho o meu jardim, lembro-me sempre daquele ser cuja vida segui de tão perto e cuja morte preparei sem contar.
Ah, é grande a nostalgia, tal como é a vontade de ser verdadeira. Por isso, quero dizer que arranquei, sim, arranquei o abeto da Floresta Negra, aproveitando uma distração do Guarda Florestal.
Se pudesse, ia lá ver se voltou para o seu lugar, renascido das próprias cinzas, e se se encontra a descansar, protegido por um manto de fina neve, e a comemorar, silenciosamente, o Natal.
Se assim fosse, jamais lhe tocaria. Apenas com as mãos leves da luz livre do olhar.

 Nota: Este conto foi publicado no livro
Lugares e Palavras de Natal 
Escolhi, para pseudónimo, 
Maria Neves.


quinta-feira, 28 de novembro de 2013

Imaginação ou aproveitamento de espaço?


Quase noite de Natal


O dia tinha estado ameno, mas, com o cair da noite, as nuvens carregadas começaram a ameaçar tempestade. António, um sem-abrigo, afastou o cartão em que todas as noites dormia, assim como o cobertor escuro com que se cobria.
Se procurasse um supermercado, sempre podia entrar e proteger-se da forte chuvada que não parecia demorar muito. Viu, então, ao fundo da rua, o anúncio bem luminoso. Assim fez. Quando entrou, sentiu o quentinho de um espaço abrigado, de gente lavada e que tinha alguém com quem falar.
O dia não lhe tinha corrido muito bem. Compraria um sumo de laranja, porque o desenho do pacote fazia-lhe lembrar as laranjeiras da aldeia onde tinha vivido a infância.
Ao aproximar-se da prateleira dos sumos, passou pelos chocolates e teve uma ideia, ou melhor, uma tentação: meter seis chocolates ao bolso para oferecer na noite de Natal a seis pessoas que olhassem para ele com carinho. De repente, viu um funcionário e um adolescente junto dele. Um rapaz, tendo assistido à tentativa de roubo, chamou o funcionário que disse secamente ao sem-abrigo: tira os chocolates do bolso e volta a pô-los no lugar. E depressa.
António limitou-se a obedecer à ordem, porque já era velho e não podia correr ou fugir. E o que mais lhe custou foi ser tratado por tu. Enquanto estava a pôr os chocolates na prateleira, olhou para o rapaz que o tinha acusado. Tinha ar de quem tinha tudo e não gostava de nada nem de ninguém.
O funcionário, com ar de falso Pai Natal, disse assim: não chamo a polícia só por causa do espírito natalício. António voltou para o seu sítio habitual, também sem o sumo que queria comprar. Felizmente, a chuva já não caía.
Umas horas depois, já deitado no seu cartão, reparou que a rua estava deserta. De súbito, começou a ouvir alguém a correr. Levantou a cabeça para ver o que se passava. Era uma rapariga. Vendo o sem-abrigo, parou e perguntou-lhe se tinha visto um rapaz de cabelo claro, alto, magro, de blusão de couro… Mostrava muita aflição e disse que o irmão tinha fugido de casa porque estava farto de tudo e de todos, até dos pais que chegavam no dia seguinte para o Natal.
Pela descrição, o sem-abrigo reconheceu o jovem que o tinha denunciado no supermercado. Em poucas palavras, apontou-lhe o final da rua, onde ficava a grande superfície.
A jovem retomou a corrida em busca do irmão. Encontrou-o sentado num dos bancos do jardim. Os dois irmãos abraçaram-se e ela convenceu-o a voltar para casa e a passar o Natal em família.
No regresso, passaram pelo local onde a rapariga tinha visto o sem-abrigo. Havia o cartão, o cobertor, o saco de plástico, mas António já lá não estava.