quarta-feira, 29 de julho de 2015

INTERTEXTO


Primeiro levaram os negros 
Mas não me importei com isso
Eu não era negro

Em seguida levaram alguns operários
Mas não me importei com isso
Eu também não era operário

Depois prenderam os miseráveis
Mas não me importei com isso
Porque eu não sou miserável

Depois agarraram uns desempregados
Mas como tenho o meu emprego
Também não me importei

Agora estão a levar-me
Mas já é tarde.
Como eu não me importei com ninguém
Ninguém se importa comigo.
                                                         Bertold Brecht

Enviado pelo Clube das Histórias



domingo, 26 de julho de 2015

No Entardecer dos Dias de Verão

Van Gogh

No entardecer dos dias de verão, às vezes,
Ainda que não haja brisa nenhuma, parece
Que passa, um momento, uma leve brisa…
Mas as árvores permanecem imóveis
Em todas as folhas das suas folhas
E os nossos sentidos tiveram uma ilusão,
Tiveram a ilusão do que lhes agradaria…
Ah, os sentidos, os doentes que veem e ouvem!
Fôssemos nós como devíamos ser
E não haveria em nós necessidade de ilusão …
Bastar-nos-ia sentir com clareza e vida
E nem repararmos para que há sentidos …
Mas graças a Deus que há imperfeição no Mundo
Porque a imperfeição é uma cousa,
E haver gente que erra é original,
E haver gente doente torna o Mundo engraçado.
Se não houvesse imperfeição, havia uma cousa a menos,
E deve haver muita cousa
Para termos muito que ver e ouvir … 
 
Alberto Caeiro, in “O Guardador de Rebanhos – Poema XLI”
Heterónimo de Fernando Pessoa

sexta-feira, 24 de julho de 2015

Verão

Caminha, rio Minho
Obrigada, Ci, pela foto.

quarta-feira, 22 de julho de 2015

ROXY MUSIC - A Song For Europe

Cristina Peres, no seu Expresso Curto de hoje, deu esta sugestão que partilho agora.

"Antes que este café curto saia um abatanado, sugiro-lhe ainda para esta manhã sete estupendos minutos de música: “A Song for Europe”, um original de 1973 do álbum “Stranded” dos Roxy Music, aqui interpretada ao vivo em Londres em 2001, ano da entrada em vigor do €. Brian Ferry canta lyrics a que estas últimas semanas na EUropa deram relevância acrescentada. Não é difícil imaginar uns certos europeus a pensarem noutros certos europeus ao trautearem com Ferry “Now only sorrow, no tomorrow, nothing is there for us to share but yesterday”

terça-feira, 21 de julho de 2015

Um abraço



Antes
Era ainda uma menina. Uma adolescente com uma longa trança. Na sala de aula, agia com todos com toda a delicadeza. Com uma serenidade responsável, nada deixava por fazer. Os trabalhos eram pensados e feitos com rigor e persistência. Era difícil ter uma aluna assim. Ela era assim. No seu nome tinha mar e nenhum professor a esqueceria.

Depois
Passaram-se anos. A professora de Francês pensava, por vezes, o que seria daquela aluna da trança doce e delicada.

Hoje
Na escola, chega uma professora do Ensino Especial ao Gabinete de Psicologia, onde, por acaso, a ex-professora de Francês se encontra. A Psicóloga apresenta a visitante à antiga professora de Francês. Esta gaba-lhe o sorriso, bem necessário na função que ocupa.
Foi quando a professora do Ensino Especial disse que já tinha sido sua aluna. 
"O quê? És a menina da trança? Quando deixei de te ver, eras uma menina e agora és uma mulher, mas com a mesma doçura no sorriso e no olhar."
"Também nunca a esqueci. Foi sempre uma referência para mim" - disse com os olhos brilhantes e  humedecidos".
"Já ganhei o dia. Que bom rever-te. Foste uma aluna que nenhum professor esqueceu pela tua delicadeza, trabalho e responsabilidade.
E foi quando a ex-menina e agora mulher disse à sua ex-professora de Francês: "Posso dar-lhe um abraço, mas com os dois braços?"
E, entre sorrisos, pousaram as carteiras e os papéis em cima da mesa e deram um abraço longo. E a língua que falaram foi a do reconhecimento mútuo. Para não falar da felicidade dos pequenos momentos que adoçam toda uma vida.

O solitário da rua


Van Gogh

Abriu a janela da sala para deixar entrar mais luz e poder ver as árvores, agora sem camélias à mistura. Havia, porém, rosas. Que não via, quando estava sentado, mas sabia que estavam lá, olhando-as longamente enquanto as regava.
Abriu o computador e escreveu "Uma espécie de diário", pôs a data e começou a escrever.

Hoje não saí, apesar do sol e do calor. Gosto de ficar em casa nos dias livres e quentes de verão. Preciso de pessoas como de pão para a boca, mas afasto-me - não sei se voluntária ou involuntariamente - das multidões. Também viajo muito menos do que no passado. A crise afetou os funcionários públicos, criando outras opções e prioridades. Também fui aprendendo que há muitas formas de viajar, de observar e absorver o mundo.
Na repartição onde trabalho, acham-me simpático, cordial, atento às necessidades do público. Nunca ninguém me disse que, apesar da exposição no trabalho quotidiano, eu, no fundo, tenho características de um homem solitário. Um solitário que, quando chega a casa,  cultiva o seu quintal, trata do seu jardim, lê os seus livros, faz caminhadas em horas de fraco sol, que se identifica com alguns poetas, que é o último a sair da sala de cinema se o filme lhe agradou...
Ao trabalho chego a horas e habituei-me a não deixar que os meus problemas pessoais interfiram no atendimento das pessoas. Às vezes, custa, porque muitos utentes exigem de nós muito mais do que habitualmente dão. Eu lá vou aplicando o chavão de que "o cliente tem sempre razão" e explico, quase sempre com paciência, os procedimentos que estão na lei. Embora pareça muito certinho, às vezes, apetecia-me dizer: "bocê tem razão, que se lixe tanta papelada!", mas lá vem: "Claro que a senhora tem razão, mas eu ajudo-a a preencher o novo impresso e tudo fica resolvido".
Agora, vou regar o quintal e o jardim, aproveitando a crescente frescura do fim da tarde. Enquanto rego, há muitas ideias que me chegam. Muitas ligadas ao trabalho - que, felizmente, continuo a ter.
Se o local onde vivo fosse aproximado pelo zoom do Google Earth, lá se veria um homem de meia idade, devagar, a regar a sua horta - não fosse eu o solitário da rua!

domingo, 19 de julho de 2015

Um domingo de Delfininha

Há dezenas e dezenas de anos que Delfininha ia à missa ao domingo. Sempre à mesma hora. Dizia como a mãe já repetia: "à missa primeira". Se dissesse "primeira missa" pareceria que estava a falar de outra coisa que não a missa de domingo. Também o lugar que ocupava na igreja era sempre o mesmo, Como chegava mais cedo do que a maior parte dos madrugadores fiéis, não era difícil ter  o lugar costumeiro numa das primeiras filas.
Às vezes, punha-se a pensar nestes hábitos que já vinham do tempo anterior à mãe - também Delfina, mas sem diminutivo, porque a ninguém dava mimos e, por isso, de ninguém os recebia. Talvez do marido, mas dessas coisas não falava nem se falava, porque as sorridentes intimidades não eram para ouvir, transmitir ou deixar espreitar.
Pois, como eu dizia, Delfininha foi à missa. Quando chegasse a casa, começaria a preparar o assado que era o prato habitual do domingo. Antigamente era de frango caseiro, mas o cheiro da capoeira começou a incomodar Delfininha e foi pedindo que lhe matassem as galinhas, porque a tal cometimento nunca Delfininha havia sido habituada. Acabar-se-iam os ovos frescos, mas, como tudo na vida, teria vantagens e desvantagens.
E logo mandou limpar e pintar a capoeira, onde pôs vasos com plantas de diferentes cores. Um dia, dois sobrinhos foram à capoeira para ver as galinhas e deram com as plantas em vez das aves, que tentavam fugir quando os meninos as tentavam agarrar. A correr, iam dizendo: ó tia, as galinhas transformaram-se em plantas!
Mas voltemos a Delfininha. Delfininha chegou a casa, como em todos os domingos com saúde, pôs o avental e foi para a cozinha. Enquanto descascava as batatas, as cebolas e os alhos, ia pensando nas palavras que tinha ouvido na igreja - tal como a mãe, de muito pequenina, lhe ensinara. Curioso, de pouco se lembrava. Queria recordar-se e só lhe vinha à memória  a voz afinada que subira ao púlpito e que abria, de mansinho, os corações por onde entrava com litúrgica delicadeza.
Seria pecado ter esquecido tudo o resto? Não, com certeza que não . repetia para si própria, enquanto abria a janela para deixar entrar o ar luminoso da manhã.
Tocaram à campainha. Quem seria àquela hora ainda tão matinal!
Nem queria acreditar. Uma vizinha trazia-lhe um cestinho com ovos e dois pintos. Delfininha olhou, incrédula, os pintos. Apetecia-lhe ficar com os ovos e não aceitar os pintos, Não, isso, sim, seria pecado!

sexta-feira, 10 de julho de 2015

Dia de Anos

Com que então caiu na asneira
De fazer na quinta-feira
Vinte e seis anos! Que tolo!
Ainda se os desfizesse…
Mas fazê-los não parece
De quem tem muito miolo!
 
Não sei quem foi que me disse
Que fez  a mesma tolice
Aqui o ano passado…
Agora o que vem, aposto,
Como lhe tomou o gosto,
Que faz o mesmo? Coitado!
 
Não faça tal; porque os anos
Que nos trazem? Desenganos
Que fazem a gente velho:
Faça outra coisa; que em suma
Não fazer coisa nenhuma,
Também lhe não aconselho.
 
Mas anos, não caia nessa!
Olhe que a gente começa
Às vezes por brincadeira,
Mas depois se se habitua,
Já não tem vontade sua,
E fá-los, queira ou não queira!
João de Deus
 
 


  1. Nota - Obrigada, 
    Idalina, 
    pelo (bom humor do) poema
    que comigo partilhaste.