domingo, 30 de abril de 2017

Em domingo chuvoso

Once upon a summertime, if you recall
We stopped beside a little flower stall
A bunch of bright forget-me-nots
Was all I’d ever let you buy me

 

Once upon a summertime just like today
We laughed the happy afternoon away
And stole a kiss at every street cafe

 

You were sweeter than the blossoms on the tree
I was as proud as any girl could be
As if the mayor had offered me the key
To Paris

 

Now another winter time has come and gone
The pigeons feeding in the square have flown
But I remember when the vespers chimed
You loved me once upon a summertime

 

Now another winter time has come and gone
The pigeons feeding in the square have flown
But I remember when the vespers chimed
You loved me once upon a summertime.

 

Compositores: Eddie Barclay / Eddy Marnay / J. Mercer / Michel Jean Legrand

 

Coisas pequenas com importância


sábado, 29 de abril de 2017

Os 100 dias de Trump ou a caricatura

Vale a pena ver este pequeno vídeo dos Simpsons sobre os 100 dias de governação de Trump.
O humor, muitas vezes, é bem certeiro.




pehttps://www.theguardian.com/tv-and-radio/video/2017/apr/27/watch-the-simpsons-take-on-trumps-first-100-days-in-office-video

Chuck Berry - Depois

Chuck Berry - Antes

quinta-feira, 27 de abril de 2017

Mário Lúcio

"Nascido em 1964 no Tarrafal, no norte da Ilha de Santiago, Lúcio Matias de Sousa Mendes, ou Mário Lúcio de nome artístico é descrito como “um militante da união na diversidade.”"

http://www.voaportugues.com/a/article-1-14-11-mario-lucio-cverde-voa-113619344/1259340.html

SEMPRE

25 de Abril

Esta é a madrugada que eu esperava
O dia inicial inteiro e limpo
Onde emergimos da noite e do silêncio
E livres habitamos a substância do tempo

Sophia de Mello Breyner Andresen, in 'O Nome das Coisas'


Van Gogh

terça-feira, 25 de abril de 2017

"Os dois pássaros"


domingo, 23 de abril de 2017

Ontem, na Biblioteca Almeida Garrett!

Comemorando o Dia Mundial do Livro e do Direito de Autor, a Biblioteca Almeida Garrett, no Porto, realizou, ontem, dia 22 de abril,  uma sessão de leitura de textos curtos e de diferentes autores.
Foi um bom fim de tarde a ouvir textos bem escolhidos e bem lidos. 
Às vezes, estas atividades (aparentemente) simples são as mais conseguidas. 
Gostei muito, tanto pelo conteúdo dos textos - divididos em três temas: Livros, Animais e Porto - como pelo amor pelas palavras com que foram comunicados pelos diferentes leitores.

terça-feira, 18 de abril de 2017

Uma cidade em que tudo parece estar feito

Há cidades - poucas, acho eu - em que parece já estar tudo feito, como Copenhague, com a sua imensa planura e frescura.
Nas vias, há espaços próprios para os carros, para as bicicletas e para os peões. As bicicletas são em em grande número e obedecem a semáforos específicos. 
São imensas as imagens de grande beleza na passagem rápida das bicicletas transportando pessoas de todas as idades. Esse hábito vê-se também na forma ligeira como as pessoas se deslocam, tanto de bicicleta como a pé.
Como o clima regista baixas temperaturas, logo que o sol aparece, os espaços públicos enchem-se e as esplanadas ou qualquer degrau em que as pessoas se possam sentar ganham mais vida.
Parecem estar todos habituados a pouco desperdiçar, incluindo o sol. Este é que nem sempre brilha, embora pareça brilhar para todos.

Copenhague - no fim de semana da Páscoa


quinta-feira, 13 de abril de 2017

Páscoa Feliz!


"Sei um ninho"


Sei um ninho.
E o ninho tem um ovo.
E o ovo, redondinho,
Tem lá dentro um passarinho
Novo.

Mas escusam de me atentar:
Nem o tiro, nem o ensino.
Quero ser um bom menino
E guardar
Este segredo comigo.
E ter depois um amigo
Que faça o pino
A voar...

Miguel Torga

"A galinha dos ovos misteriosos"



"Era uma vez uma galinha que todos os dias punha um ovo. E todos os dias vinha a dona, com uma cestinha, tirar-lho. - Já pus 1.000 ovos. Podia ser mãe de mil filhos. Mas não tenho nenhum por causa da gente gulosa - cacarejou certa manhã a galinha. – Vou fugir.
Se bem o pensou melhor o fez. Quando a dona entrou na capoeira, como de costume, esgueirou- se pela porta aberta. Só parou na mata. Logo aí tratou de fazer o seu ninho com folhas secas, palhas, penugem, farrapos de lã. Nunca se vira ninho mais lindo, redondo, confortável. Sentou- se nele e pôs um ovo muito branquinho
Vou encher a barriga antes de começar a chocar, que aqui ninguém me traz de comer resolveu a galinha, afastando-se em busca do almoço. Demorou-se, porque ali tudo lhe era estranho. Quando voltou, qual não foi o seu espanto ao ver o ninho cheio de ovos de todos os tamanhos e feitios.
Cocorocó… O que vem a ser isto? - disse ela. - Na minha capoeira tiravam-me os ovos, aqui oferecem-mos. Mas que sorte! E logo se aninhou. Daí em diante, a galinha mal saía do choco. Estava preguiçosa, sentia o corpo quente, quente como uma botija.
O tempo foi passando. Quanto, não sabia, porque não aprendera a contar nem se guiava pelo calendário. Até que … crac. O primeiro ovo se abriu e de lá saiu um bicharoco de bico retorcido. Ai, mas que filho, eu até desmaio! Em vez de ser pinto é um papagaio. exclamou a galinha.
No dia seguinte, outro ovo se abriu e de lá saiu, rastejando, uma criatura comprida e sarapintada. Ai, mas que filho, como ele é diferente! Em vez de ser pinto é uma serpente, exclamou a galinha.
Nessa mesma tarde, o maior dos ovos partiu- se ao meio. A galinha espreitou, desconfiada. Ao ver o que tinha à sua frente, pôs-se a cacarejar. Ai, mas que filho, este é de truz ! Em vez de ser pinto é uma avestruz.
Faltavam ainda dois ovos. Que esconderiam lá dentro? A galinha, curiosa, picou um deles. Mas ia caindo para o lado. Ai, mas que filho! Deve vir do Nilo. Em vez de ser pinto é um crocodilo.
Ainda não se tinha calado quando sentiu um reboliço no último. Ao ver a penugem amarela, bateu a asa de contentamento e escancarou o bico: Ai, mas que filho! Diz o meu instinto que este finalmente é mesmo um pinto.
 Olhem a minha ninhada! - mostrava ela às galinhas do mato. - É tão variada e tão engraçada. - Trata só do teu pinto. Não ligues aos outros bichos,  aconselhava a perdiz. Mas como podia ela abandoná-los depois de os ter chocado com tanto amor ? Que outra mãe havia de tratar deles? Era feliz, mas vivia num desassossego.
O papagaio voava para as árvores e ela não sabia voar. O crocodilo só estava bem dentro de água e ela não sabia nadar. A serpente metia-se por todos os buracos e ela era gorda de mais para a poder ir buscar.
A avestruz, essa, devorava tudo, não havia comida que lhe chegasse. Só o pinto, naturalmente se comportava como um pinto.
Mas ela de todos gostava. De todos cuidava. Coçava a serpente quando ela tinha cócegas porque à pobrezinha faltavam as patas. Enrouquecia de tanto tagarelar com o papagaio que queria sempre conversar.
Cansava-se a carregar petiscos para a comilona da avestruz. Esgravatava o chão em busca de sementes para o pinto. E nos intervalos lavava as dentuças ao crocodilo.
Tudo parecia correr bem até que apareceu no bosque um rapaz. - Ah, que belo frango! - disse ele, ao ver o filho verdadeiro da galinha. - Vou assá-lo para o jantar. - Cocorocó, refilou a galinha, o que quer dizer na sua língua « não lhe toques, senão pico-te ». O rapaz riu. Pois, quem tem medo de uma galinha? E apanhou o frango.
Foi então que a serpente, ao ver o que se passava, se pôs a assobiar à sua frente, mostrando os dentes de veneno. - Ai, uma serpente !,  gritou ele e atirou-se ao lago para lhe escapar. Foi a vez do crocodilo avançar de boca aberta. - Ai, que este me come!, gritou novamente o rapaz, subindo para a outra margem com o frango debaixo do braço.
Aí estava o papagaio, empoleirado num árvore: Aí estava o papagaio.  És ladrão, empoleirado és, vou meter-te prisão! És ladrão, és ladrão, vou prender-te na prisão! És ladrão, és ladrão vou prender-te na prisão! És ladrão, és ladrão vou prender-te na prisão!
Um polícia…assustou-se o moço. - Deixa-me fugir. Mas logo atrás de si começou a ouvir uns passos, primeiro distantes, depois cada vez mais próximos, a grande velocidade. Era a avestruz. Apavorado, pensando que era um polícia que o perseguia, o rapaz largou a ave e só parou, esbaforido, na aldeia.
Às costas da irmã avestruz, o frango voltou para casa.
Para festejar, a galinha juntou todos os filhos e fez-lhes um bolo com vários andares. Um tinha milho para o frango. Outro, peixe para o crocodilo. Outro, fruta para o papagaio. Outro, ratos para a serpente. E por cima, a enfeitar, sete berlindes, um martelo e vinte pregos, porque a avestruz só gostava de pitéus extravagantes.
Depois do jantar, os filhos fizeram uma roda à volta da galinha e puseram-se a cantar: Somos todos irmãos, somos todos diferentes: há uns que têm bico, outros que têm dentes, há uns que têm escamas, outros que têm asas, na terra e na água fazemos nossas casas. Eu só tenho pescoço. Eu voo pelo ar. Eu nado a quatro patas. Eu cá gosto de andar. Somos todos diferentes, mas todos queremos bem à boa da galinha que é a nossa mãe.
MORAL DA HISTÓRIA - TODOS DIFERENTES TODOS IGUAIS"

Será hoje que termino a leitura do meu livro?

quarta-feira, 12 de abril de 2017

"Manhã de Páscoa"



Manhã de Páscoa!
Dá-nos a coragem dos recomeços.
Mesmo nos dias quebrados faz-nos descobrir limiares límpidos. 

Não nos deixes acomodar ao saber daquilo que foi:

dá-nos largueza de coração para abraçar aquilo que é. 

Afasta-nos do repetido, do juízo mecânico que banaliza a história,

pois a desventra de qualquer surpresa e esperança. 

Torna-nos atónitos como os seres que florescem...
Torna-nos livres, deslumbrantemente insubmissos.
Torna-nos inacabados como quem deseja e de desejo vive. 


Torna-nos confiantes como os que se atrevem a olhar tudo,
e a si mesmos, uma primeira vez. 

                                                   José Tolentino de Mendonça


Poema adaptado por:
Clube das Histórias
es@contadoresdehistorias.com


terça-feira, 11 de abril de 2017

Ella em Londres

Há dias, em Camdem, nos arredores de Londres, houve um concerto para bebés celebrando os 100 anos do nascimento de Ella Fitzerald. 
Era bonito ver crianças pequeninas a correr no palco, ao colo dos pais, sentadinhas ou de um lado para o outro sob o olhar atento de quem, amorosamente, as tinha levado.
O concerto foi numa igreja que, tal como muitas outras, traz a música às crianças.
Muito pequeninos, sem grande poder de concentração, vão adquirindo hábitos de algum silêncio, de respeito pelo que as rodeia, de interação com as pessoas, de gosto pela música, encarada como um bem natural enquanto comem uma peça de fruta, dão ou recebem um abracinho, de partilha do mesmo espaço, de escuta...
Oxalá qualquer forma de Brexit não termine com estas formas tão boas de expressão da arte que ajudam a formar e a educar.
E existem meninos e pais das mais diversas proveniências, o que dá ainda mais beleza àquele espaço.
As pessoas estavam reunidas porque se celebrava o aniversário do nascimento da grande cantora de jazz e da sua brilhante carreira.
Um belíssimo motivo para acreditar na Educação também pela Arte.

Ella Fitzgerald - Summertime (1968)

Jimmy Scott

Domingo bom em Londres



Quem tem razão?

Na comunicação social, têm aparecido versões muito diferentes dos distúrbios causados num hotel do sul de Espanha por estudantes portugueses. Há testemunhos a pretender demonstrar que foram coisas de pouca monta em relação às acusações do hotel, embora este não mostre imagens dos locais onde diz ter havido atos de vandalismo.
Ao longo da minha vida de professora, convivi com o entusiasmo de muitos alunos que, muito tempo antes da viagem, começavam a falar dessas férias da Páscoa sem os olhares críticos dos pais ou dos professores. Pelos dezassete-dezoito anos é natural que assim seja, como natural é que muitos não fossem por não se sentirem atraídos por viagens em multidão.
Quando regressavam, as histórias sobretudo de excessos continuavam a ser partilhadas nos intervalos e também, em voz mais ou menos baixinha, nas aulas.
Em muitos casos, passou a ser um ritual iniciático que contribuirá para a construção de autonomias e abertura ao mundo, sobretudo para os jovens que não têm a possibilidade de viajar.
O pior é que muitos alunos se habituam a ser desculpabilizados no dia a dia. Depois em grupo, quando se sentem libertos de quaisquer amarras, destroem o que podem como forma de protesto ou simplesmente porque não se controlaram ou querem mostrar o seu poder. Haverá sempre alguém para os defender.
Sempre achei que são muito mais numerosos os alunos com bom desempenho cívico do que aqueles que transgridem as regras, mas estes, ainda que em número reduzido, roubam muito tempo e muita paciência, sendo desculpabilizados em muitas situações. Ou porque os objetos não devem estar ao seu alcance, ou porque os funcionários têm de exercer mais vigilância, ou porque há outros que também o fazem... E falo também de alunos do ensino secundário.
Por isso, poucos ou muitos estragos não deveriam acontecer e oxalá que os pais oiçam os jovens que destruíram coisas no hotel ou os que nada fizeram de mal, de modo a que todos aprendam com isto e não seja mais um motivo para, entre duas mensagens de telemóvel e quase sem levantar os olhos do ecrã, dizerem que a culpa é dos outros.
Mas o hotel também não fica muito bem na fotografia com o lucro a fazer festas aos bolsos. E talvez as Agências de Viagens devam ter outros cuidados na preparação das visitas para multidões de jovens.
De outro modo, será mais um momento triste nacional em que a culpa é de todos e não é de ninguém.



quarta-feira, 5 de abril de 2017

Num avião

Não é muito meu hábito 'meter conversa'  com a pessoa do lado quando viajo, ficando-me por um sorriso quando os olhares se cruzam.
Um dia, porém, comecei a falar com o passageiro do lado. Havia alguma instabilidade na atmosfera e seria um modo de não pensar tanto no assunto.
Já tinha reparado no seu aspeto despojado e um pouco místico. Vinha do Porto, onde dinamizara sessões de meditação. Era vegetariano há duas dezenas de anos.
Os assuntos foram-se sucedendo.
E falámos de tantos problemas graves que existem no mundo (como os de hoje: fome no Sudão, ataque com armas químicas na Síria...) e que, apesar do conhecimento da sua existência, vamos vivendo o nosso quotidiano, sempre em busca de bem-estar e felicidade, o que pode até acarretar alguma culpabilidade.
A resposta do meu colega de viagem de avião foi que a busca humanamente honesta da felicidade pode ajudar a melhorar o mundo, muito mais do que ficarmos acabrunhados perante os problemas.
Lembro-me dele quando as notícias são preocupantes, como acontece, infelizmente, todos os dias.
E o mundo não é um lugar fechado como um avião, onde apenas permanecemos umas horas.

terça-feira, 4 de abril de 2017

'Happy thought'

Hoje, ao arrumar uma estante, vi A Child's Garden de Robert Louis Stevenson.
Abri o livrinho - de capa muito florida, e vi este pequenino poema que agora partilho, pelo prazer que podemos retirar da observação do que se passa à nossa volta.
Já a felicidade dos reis será mais questionável nos nossos dias, apesar de todos os seus haveres.

'The world is so full
    Of a number of things,
I'm sure we should  all
    Be as happy as kings'